Relatório ‘Os jovens na Europa precisam de um Futuro’

Categoria: Notícias,Uncategorized

C_Users_gpereira_Desktop_20180228104918920O Centro de Informação Europe Direct – Área Metropolitana de Lisboa, esteve presente ontem no ISCTE-IUL,  em Lisboa, para a apresentação do relatório ‘Os jovens na Europa precisam de um Futuro’, no qual são apontados cinco recomendações em defesa das novas gerações, após análise de testemunhos reais de atendimentos na rede da Cáritas Portuguesa.

Jorge Nuño Mayer, Secretário-geral daBrussels, Belgium, Feb 3 2016- Europe 2020 Steering Committee On this picture: Jorge Nuno Mayer © EU2016 2016_02_03_Europe_2020_Steering_Committee Cáritas Europa, fez a apresentação do Relatório Europeu,  alertando para algumas situações preocupantes, nomeadamente, os abusos e uso fraudulento dos recibos verdes, a generalização do trabalho precário que impede os jovens de projetarem o seu futuro e destacando a urgência de promover políticas de salários dignos, combate à precariedade, aposta na Educação e acesso à habitação, para as novas gerações.

Eugénio-Fonseca-CáritasDe seguida, Eugénio da Fonseca, Presidente da Cáritas Portuguesa, apresentou o Relatório Português realçando que os jovens ficam desmotivados para prosseguirem os estudos por causa dos salários que lhes são oferecidos, adiantando que a sua autonomia é adquirida cada vez mais tarde, inviabilizando uma vida independente que passa por ter habitação própria que, nos últimos anos, viu o valor das rendas, em bairros antigos, aumentar 20%. Para finalizar e segundo o presidente da organização, “todas as preocupações colocadas no relatório foram cruzadas com as preocupações europeias”, Situámo-nos naquilo que nos parece ser a pobreza mais preocupante no domínio dos jovens que é a educação, a habitação e o trabalho”, vincou.Sofia Alves, Chefe da Represetação da Comissão Europeia em Lisboa. 4 de Agosto de 2016.

A Chefe da Representação da Comissão Europeia em Portugal, Sofia Colares Alves assinalou que, segundo um estudo do Eurobarómetro, os jovens assumiram como principais preocupações “a mobilidade profissional”, a sua “capacitação e autonomia intelectual” e a inovação no sistema educativo. Para finalizar convidou a “escutar os jovens”, para saber o que os preocupa e “desenhar políticas públicas” que apresentem respostas às suas necessidades, dando conta que a resolução dos problemas dos jovens é uma das prioridades da administração Juncker.

O Relatório Português poderá ser consultado AQUI